quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Quando nasce um bebê, nasce uma baranga.






Acima, caras leitoras, está uma mostra da moda em Orlando. Na passarela mães de filhos pequenos que perderam totalmente o gosto pelo cuidado pessoal. A vida delas são os filhos. E só. Triste, muito triste. Mas acontece muito. Filhos mudam tanto a nossa vida que as vezes passamos apenas a enxergar eles, nada mais. No caso dessas mulheres elas não enxergam nem a sua própria imagem no espelho. Engordam horrores, passam a vestir as piores roupas do mundo e falar de maneira infantilizada. Fuja dessa pelo-amor-de-deus. Nossos filhos são TUDO, mas não tudo no sentido literal da palavra. Acredito piamente que uma boa mãe também tem sua vida própria, se preocupa com a sua aparência, tem uma vida social, tem uma vida profissional e cuida dos filhos em cima do salto, não de chinelões de dedo que pegam o formato do pé. Difícil? As vezes quase impossível. Mas melhor que ser uma dessas acima, concorda? Para inaugurar minha campanha “Mãe e Gata” em breve farei um post sobre meus cosméticos favoritos. Aguarde. Enquanto isso aqui vai um link de moda e estilo que eu adoro: O Misturinha

27 comentários:

cassiafernandes disse...

Apoiada em sua campanha. E suas dicas, como sempre, maravilhosas.

Anna Gameleira disse...

amei o post Laura!!!!!!!
Concordo totalmente!!!!!!!!
Beijão!

www.soparapequenos.blogspot.com

Lenita disse...

ai esse post dói profundamente... não estou no meu melhor momento

Rita disse...

hehe...que horror!! eu não embaranguei não, credo!!! imagine o coitado do marido chegando em casa e encontrando isso aí!! porque será que o cara não para em casa e procura amante hein???

betinhazinha.com disse...

Meu Deus, fiquei olhando bem (beeeeem mesmo) pra ver se eu nao tô no estilo de uma dessas aih... hihihihh!

Loja 1ª Idade - gestante,bebê e infantil disse...

Adoreiiiii!!!! Laura,sua campanha é ótima e vc tem toda razão,inclusive na gestação tambem temos que nos cuidar,pois hoje em dia a moda gestante está muiiiitttooo antenada e bela!
beijosss
Ana B
www.primeiraidade.com.br

Patrícia disse...

Difícil Ne!
Eu estou sobrevivendo (bem) aos dois!
Nao e fácil nao!
A campanha e valida !
Principalmente lembrar a mulherada de agradar o maridao!
Acho que ate nao importa de e gordinha, o importante e procurar de arrumar e de sentir bonita. Um perfume, uma roupa bonita uma lingerie sexy!
Bj
Patipins.blogspot.com

Laura Florence disse...

Oi Lenita, não é pra ficar mal. Também já estive melhor. Não é sobre ser uma Top Model, mas manter a auto estima. Tudo muda mesmo depois da gravidez, o corpo principalmente. Os extremos são sempre ruins querer ser exatamente como antes a qualquer custo também não é bom. Também não estou falando só de aparência, mas de se anular completamente para seu filho. Acredito piamente que nenhuma criança filha de mártir é feliz. Passa um batom e vem com a gente. bj

Carol Passuello disse...

Nossa Laura!
Conheci o blog recentemente, recebi o link para esse post. Concordo totalmente que é legal mantermos a vida profissional, saídas com o marido, irmos na manicures, etc depois que os filhos nascem, mas não acho que toda mulher enbaranga depois que os bebês nascem. Vide a Gisele, hehhe. Também achei meio preconceituoso seu post, como se fosse um problema ser gorda ou estar acima do peso depois que os filhos nascem. Mas me preocupa mais ainda o tom machista dos comentários, tipo: 'temos que estar bonitas para nossos maridos'. A síntese é que se a mulher não estiver magra, o homem tem desculpa para trair!!!

Aline Silva Dexheimer disse...

Não gostei do post! Vai de encontro ao que eu sempre digo, e já disse lá no meu blog: http://www.alinedexheimer.com/sobre-os-%e2%80%9cgordos%e2%80%9d-ou-.aspx - Também achei preconceituoso (gordura ligada a feiúra) - Repito ninguém é gordo porque quer e nem todo o gordo é sujo e desleixado. Se achar bela e magra não é sinal de beleza. Se procurares saber sobre as razões de onde vem o excesso de peso, verás que nem sempre a pessoa se atirou à comida!Há muitos problemas envolvidos, físicos, hormonais e outros. É sempre bom ver o todo antes de generalizar e julgar as mães gordas!

Aline Silva Dexheimer disse...

Uma Correção:Se achar bela e magra não é sinal de felicidade - isso que eu queria escrever.

Dany disse...

Tô com a Carol Passuello e a Aline Silva Dexheimer!

Entendi o objetivo do post, claro, mas o tom machista e preconceituoso me preocupam.

Laura Florence disse...

Galerinha, acho que a coisa está indo para um caminho errado. Convido vocês a lerem o post novamente. Não se trata de julgar a massa de gordura de ninguém. Não estou podendo, porque estou 10 kilos acima do meu peso. Não é sobre ser magra ou gorda, é sobre se largar. Se você se sente bem magra, excelente, se se sente bem mais cheinha, melhor ainda. O ponto do post é sobre não perder a auto estima. É isso que eu acho ruim. Quanto aos comentários, meninas. Não vou filtrar a não ser que sejam ofensivos a alguém. Opiniões diferentes são sempre bem vindas. Se não o mundo seria muito chato.

EneidaMelo disse...

Mania que as pessoas têm de julgar as outras pela aparência. Salto? Tô fora. Sou muito mais o meu conforto.

Desconstruindo a Mãe disse...

Oi, Laura,

Há mulheres que têm obesidade ligada a problemas hormonais e há mulheres que não se largaram, mas estão, sim, acima do peso. Discordo da forma como foi colocada a idéia.

Acho que talvez de outra forma fosse mais fácil de entender que você considera que uma mulher pode e deve continuar sendo mulher, mesmo após a maternidade.

Ser gordo não deveria parecer uma falha de caráter.

Abraço fraterno,
Ingrid

Mi disse...

Nos EUA eh notorio o fato de haver MUITAS mulheres largadas, maes ou nao. Achei errado associar isso a gravidez q eh um periodo tao delicado. Ainda mais usar fotos de um parque na disney, lugar onde a incidencia de roupas mais " confortaveis" sao de certa forma apropriadas. Achei o tom machista muito errado - concordo q mulheres - maes ou nao - nao devem se largar nunca, porem em beneficio proprio. Nao para segurar marido.

Carol P disse...

Concordo com as meninas, seu post tem um tom preconceituso e a forma como foi abordada tem conotacao machista e discriminatoria.
As mulheres tem que ser cuidarem para se sentirem bem consigo mesmas e nao para agradar o marido ou as outras mulheres.
E como a Mi falou associar com gravidez, que eh um perido delicado nao foi legal. Muito menos com a maternidade, ainda mais na fase de filhos pequenos, aonde as maes estao se adaptando com a nova rotina, tentando perder o baby weight, enfim se encontrar novamente como maes, mulheres, amantes , profissionais...
E demais a mais cada um tem o direito de se vestir do jeito q quiser.

Laura Florence disse...

Gente, vocês leram o que eu escrevi? Não tem nada a ver com ser gorda ou magra. De novo: estou falando de ter auto estima. Não se entregar, esquecer de você, ficar triste, não ver mais sentido em se arrumar e se olhar no espelho e se achar bonita. Pude ver os rostos dessas mulheres, elas não se acham bonitas. Não estão felizes. Estou chamando atenção para atitudes autodestrutivas.Não entendo aonde está o machismo. Querer se sentir bonita é machisto? Foi se tempo do rasgar sutiã, gente. "Nossa como você tá bonita" É elogio, não é ofensa. "Sinta-se bonita", não seja bonita a qualquer custo. Entenderam a diferença?

Mônica disse...

Acho que o pior problema foi o comentário aí de cima dizendo que o embaragamento é uma desculpa aceitável para a pulada de cerca do marido! Isso sim teve um tom machista..
Me incomodou também o uso da imagem de mulheres reais em seus momentos de lazer, saindo de brinquedos, encharcadas como modelos de descuido.
Cheguei no seu blog por este post mas confesso que gostei do restante que li. Vou continuar lendo..

Micheli disse...

Estou chocada!!! Entendo sua intençao e a mensagem que vc gostaria de ter passado, mas definitivamente vc nao a fez de forma feliz. Pense na sua atitude: (a) Vc fotografou mulheres e publicou suas imagens num texto bastante discriminatorio e pejorativo, (b) Vc afirma que essas mulheres sao infelizes e nao tem outro interesse na vida, além de seus filhos, baseada unicamente na aparencia delas, (c) Vc deixa claro o seu sentimento de superioridade em relaçao à mulheres que vc nem conhece...
Desnecessario humilhar alguém para promover a auto-estima. Pense em usar exemplos positivos da proxima vez, sera muito mais motivador para suas leitoras e delicado da sua parte. Apoio sua campanha "Mae e Gata", mas eu adicionaria mais um item: "Elegante". E aqui eu nao falo de aparencia, mas sim de atitude. Que tal aderir à ela vc também? ;-)
Micheli Souza
micheligsouza@yahoo.com.br

Mi disse...

Só para clarificar - a parte machista da qual falei foi realmente em relação a um dos comentários, não ao seu texto, desculpe a confusão. E concordei 100% com o comentário da Micheli, é exatamento isso que eu também pensei.

Anne disse...

eu não costumo comentar posts com os quais discordo, mas acho que realmente esse saiu em um tom equivocado.
tanto do ponto de vista machista quanto do preconceito contra obesos.
viva a diferença.
bjos

Fabiola Egydio Spímpolo disse...

concordando com os posts acima, acho que vc foi de uma extrema infelicidade nas suas fotos e mais ainda, nos seus comentarios. Vc sabe o que se passa na vida, quais os sacrificios, problemas e mil outras coisas que cada uma dessas mulheres que vc ridicularizou, passou o pode estar passando para dar essa alegria ao filho? Ou vc conversou com cada uma delas antes de coloca-las no seu blog antes tao conceituado, agora, extremamente preconceituoso e infeliz. Perde uma fã. Nem todos podem ter a vida que vc parece ter e nem agir como mae, da maneira que vc parece agir. Se filhos são tudo, como vc disse, cada mae cria o seu e se veste da maneira que acha correto. Nao cabe a vc julgar ninguem, a nao ser que vc seja a oitava maravilha do mundo, que ate onde eu sei, vc passa longe, muito longe de ser. Vc nao viu nessas mulheres sinais de infelicidade, e confundiu com cansaço? Ou vai dizer que ser mae, tbem nao é cansativo?
Muito desnecessario seu post. e suas tentativas de se defender, pioraram mais ainda.

Laura Florence disse...

Meninas, sabe que estou até gostando da polêmica desse post. Acho que discussão e diferentes pontos de vista são sempre produtivos. É a mágica da internet: você escreve e rapidamente recebe o retorno dos seu leitores. A internet também nos abriu nossa possibilidade de escolha. Você navega só onde quer. Por isso confirmo aqui minha opinião. Se você não concorda, esse espaço está aberto para você colocar a sua opinião. Receberei com respeito. O que não acho bacana alguém vir ao meu blog, minha casa virtual, destilar ofensas. Discordem de mim, por favor, mas com elegância.

Fabiola Egydio Spímpolo disse...

Oi Laura, concordo com vc. Acho que qdo nos enquadramos nas maes que nao perderam peso, ou estao com a auto estima abalada, a raiva fala mais alto. Nao retiro e nem mudo minha opiniao, mas peço desculpas pelo meu infeliz comentario sobre a oitava maravilha do mundo, que como vc mesmo disse, foi ofensivo, sem ao menos te conhecer e desnecessario, migualando somente áquilo que tanto critiquei em seu post: julgar pessoas sem conhece-las.

Sergio Gonçalves disse...

Vou ser acusado de machismo. Não houve erro de digitação. Sou homem ( sem concessões ou modernices ) Vou ser acusado e condenado. Paciência. Li os comentários. Conclusão: muitas mocinhas por aqui estavam batendo papo nas aulas de interpretação de texto. Mas eu gosto de pensar que isso tem conserto. O que me assustou foi o mau-humor. A falta de leveza. E já que falamos em aulas de Português, esclareço que leveza não tem nada a ver com quilos a menos. Espirituosidade ( atenção: é diferente de espiritualidade ) não é medida pelos ponteiro da balança. Ou é? Ou será que, sem querer, a Laura tocou em algum nervo exposto? Bom, se os chiliques e faniquitos servirem como ponto de partida para reflexão de algumas comentaristas, os chutes e pontapés que a Laura levou valeram para alguma coisa.

Laura Florence disse...

Fabíola,
Sei como você está se sentindo. Não voltei a minha antiga forma depois da gravidez (mas não desistirei jamais de tentar). Estou 10 quilos acima do meu peso. Fiquei deprimida por um tempo depois que percebi que o corpo não respondia como antes nem a regimes, nem a exercícios. Além disso a idade foi chegando e o trabalho só aumentando. Você sabe como é ter um filho em casa, trabalho em tempo integral. Não há descanso. Por um tempo morri de pena de mim mesma. Mas acordei num clique. Resolvi tirar do meu armário todas as roupas que não serviam mais. Aprendi a vesti meu novo corpo, mudei o cabelo, comprei mais maquiagem e agora não fico sem fazer a mão. O amor por mim mesma foi voltando aos poucos. Ainda quero me livrar desses pneuzinhos chatos, mas isso não paralisa mais a minha vida. Por isso resolvi escrever o post. Acho que é preciso ter um clique, não sei o que é preciso fazer para acontecer. Uma sacodida. Desde que aceitei minha nova silueta, vivo mais feliz, em todos os aspectos. Ah, ainda guardo uma calça e um vestido de quando eu era magrinha. São meus troféus para quando conseguir emagrecer. Quem sabe é esse ano...